Tatuadora Em Transição de Carreira Para Desenvolvimento de Software

Atualizado: 8 de dez. de 2020

Aline é tatuadora há mais de 10 anos, atualmente ela está em transição de carreira para tecnologia. Nessa entrevista ela nos conta como está fazendo sua transição de carreira e dá dicas para quem está pensando em fazer o mesmo!

Olá mundo! Você pode se introduzir para nós?


Meu nome é Aline Vignoli, mas todo mundo me chama de Nyh!


Tenho 32 anos e sou natural de Rio Grande/RS. Nunca cursei uma universidade mas posso dizer que sou formada na escola da vida. Sou uma pessoa muito versátil, curiosa nata e estou sempre buscando aprender coisas novas. Já cantei e toquei guitarra em banda de rock (quando mais nova), trabalho com tatuagem há 12 anos e atualmente estou estudando desenvolvimento web na escola Labenu.


Sou assumidamente lésbica e busco somar na equação de mais mulheres na área de tecnologia.

Por que você decidiu se tornar Tatuadora? O que te fez querer mudar de carreira, e por que escolheu tecnologia?


Desde nova eu tenho afinidade com artes, sempre gostei muito de desenhar. Meu tipo de desenho favorito era desenhar rostos e fotografias em preto e branco.


Conforme o tempo foi passando eu comecei a me perguntar como eu poderia fazer para ganhar dinheiro com os meus desenhos e a possibilidade de me tornar tatuadora veio quando completei 18 e fiz minha primeira tattoo, com um amigo do meu irmão. Ele me deu algumas dicas básicas e no meu aniversário de 19 anos ganhei da minha mãe um kit de tattoo para iniciantes, que consistia em coisas bem básicas para se começar. Com um tubo de tinta preta, uma máquina e umas agulhas comecei a tatuar pessoas da família e conhecidas, cobrando bem barato no inicio, e com esse dinheiro fui investindo em materiais melhores.


Aprendi tudo que sei com a prática, experiências, pesquisas e em meio de muitas mudanças. Em 2009 fui morar em Porto Alegre, onde tive meu primeiro trabalho em um estúdio de tattoo. Em 2016 eu e minha companheira mudamos pra Floripa e abrimos um estúdio de tatuagem lá. Conseguimos manter o estúdio em bom funcionamento por 2 anos, mas a situação financeira começou a complicar e fechamos as portas.


No início desse ano, com a pandemia, o meu trabalho enquanto tatuadora autônoma ficou bem comprometido e isso somado ao tempo "livre" de ficar em casa me motivaram a buscar novos horizontes.


A área da tecnologia sempre me chamou a atenção principalmente pelas questões de lógica e a habilidade incrível de "falar com um computador". Por ter passado maior parte da minha vida como profissional informal, a oportunidade de estabilidade financeira também me motivou bastante.


Como você está aprendendo a programar e como está sendo esse processo?


Meu primeiro contato mais sério com programação foi no início da pandemia em março de 2020.


Comprei um curso de 100hs de desenvolvimento Android, da Udemy e comecei a estudar todos os dias. Fui aprendendo muito na prática, inclusive desenvolvi um App para gerenciamento de estúdio de tattoo para uso pessoal.


Há 3 meses atrás vi um anúncio do Curso Web Full Stack da Labenu, onde você poderia estudar e só pagar quando estivesse formada e trabalhando e me joguei no processo seletivo! Essa semana finalizei o módulo de Front-end e estou muito empolgada para entrar no Back nos próximos meses do curso.


Quais decisões você acredita que são importantes tomar, para alguém que está pensando em fazer a transição de carreira?

Eu acho que depende muito do background e da realidade financeira de cada pessoa.


Falando da minha experiência, eu tomei a decisão em conjunto com a minha companheira, que sempre me apoiou, pois eu sabia que isso ia mudar a minha vida!

O modelo de pagamento apenas depois de empregada foi o que me possibilitou ingressar no curso. Uma dica que eu dou pra quem está pensando nisso e também venha de uma família com menos condições financeiras, é buscar por programas e cursos gratuitos para começar a se introduzir.


Conversar com pessoas da área, seguir essas pessoas nas redes sociais e ir se familiarizando com o tema para ver se é isso o que você realmente deseja. Tem bastante empresas com iniciativas inclusivas que podem contemplar essas pessoas. É um grande passo, mas pra mim já está valendo muito a pena!

Para as artistas que estão pensando em fazer a transição de carreira, quais dicas você dá a elas?


Eu diria para pesquisar bem sobre qual área você acha que tem a ver com você e ir sem medo.


Mesmo que seja uma mudança brusca, tudo o que você viveu e aprendeu até aqui não se perdem, tudo isso faz parte de quem você é e suas experiências podem ajudar muito e ser um diferencial na sua nova carreira.

Como é seu dia a dia de estudos?


Entre 8h e 9h da manhã nós temos exercícios para fixar o conteúdo do dia anterior e sempre algum "desafio" que nos instiga a pesquisar sobre o assunto que será abordado na aula.


Às 9h começa a aula ao vivo, e as aulas costumam durar aproximadamente 2 horas. A partir do momento que a aula termina nós recebemos a atividade do dia e cada aluna e aluno pode administrar seu tempo da maneira que achar melhor, considerando que o prazo para entrega das atividades é sempre até às 17h.


Eu particularmente acho isso muito bacana, pois nos prepara pra questões de prazo e responsabilidade, bem como a autonomia de podermos gerenciar nosso próprio tempo para produzir o que foi solicitado. Nós temos nosso repositório no GitHub, onde subimos os projetos e abrimos os Pull Requests para serem aprovados.


Semanalmente nós temos algumas dinâmicas de Soft Skills onde aprendemos ferramentas de estudo, inteligência emocional, comunicação não-violenta e outros temas que nos auxiliam muito a nos tornar além de profissionais com capacitação técnica, pessoas melhores.


Alguns dias da semana temos dinâmicas onde podemos compartilhar nossa opinião geral de como está sendo o processo e contar como foi o nosso dia no curso. Essas atividades para além das questões técnicas foi o que fizeram eu me identificar bastante com o modelo do curso.


Temos algumas semanas que são inteiras de projeto, às vezes individuais e às vezes em grupo. Esses projetos buscam simular o dia a dia de uma empresa de tecnologia e estão sendo muito proveitosos! Enfim, é uma rotina muito intensa, bem puxada mas está sendo uma experiência muito enriquecedora!


Quais são seus planos para o futuro em relação a sua carreira profissional?

Meus planos são terminar o curso e começar a trabalhar, de preferência em alguma empresa com a qual eu me identifique com os projetos.

Você possui alguma mensagem a mais que não mencionamos nas perguntas?

Gostaria de dizer, principalmente para mulheres e minorias em geral na tecnologia, que por mais que seja difícil se inserir nesse meio e nos falte representatividade, é super válido e importante dar esse passo.

Se você tem vontade, não tenha medo! Existem vários grupos e iniciativas que vão poder te acolher!



 


Quer falar com a Aline? Chama ela no linkedin!

715 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo